O BLOGUE DE AI WEI WEI

Escritos, entrevistas e arengas digitais, 2006-2009

O blogue de Ai Wei Wei existiu no período entre 2006 e 2009, quando foi censurado e apagado da internet. O livro organiza, edita e seleciona inúmeros textos que abordam as opiniões de Ai Wei Wei, um “artista-ativista”. Ele defende a liberdade de expressão, assim como a democracia. Com certeza o artista foi influenciado por seu pai, que já havia criticado o regime Chinês, sendo considerado inimigo do povo e obrigado a se exilar, juntamente com a família, no interior do país com intuito de se reeducar.

De 1981 a 1983 Ai Wei Wei mora nos Estados Unidos e começa a estudar arte. Quando então seu pai adoece, ele retorna a China e se une a artistas chineses. Então inicia seu trabalho de artista-ativista. Já em 1999 ele se dispõe a desenhar seu próprio estúdio em uma única tarde e construí-lo em cem dias. Desta forma, ele inicia sua trajetória de arquiteto tendo como premissa o uso de materiais baratos e técnicas de construção simples. Com certeza, tais atitudes o levam em 2003 a colaborar com Herzog e De Meuron no projeto do Novo Estádio Nacional de Pequim, o conhecido “Ninho de Pássaro”, apesar de criticar sistematicamente as Olimpíadas.

Em 2005, uma emergente plataforma de blogue o convida para ser destaque em sua homepage. Apesar de inicialmente Ai Wei Wei não possuir nenhuma habilidade com a internet, ele aceita o convite. Assim começa a explorar as inúmeras possibilidades que a internet vai lhe propiciando. Este fato o aproxima de forma inédita dos leitores. Através da internet cria uma performance denominada “movimento de massas”, na qual  leva 1001 chineses a Documenta de Kassel, permitindo interações pessoais e culturais entre os participantes.

Já em 2009, Ai Wei Wei começa a enfatizar a baixa qualidade das construções chinesas. Ele aborda a escola que não se sustentou diante do terremoto ocorrido na cidade de Wenchuan, causando a morte de milhares de crianças. O blogue trabalhou de forma investigativa se dedicando ao cadastramento dos nomes das crianças mortas. Contudo, na ocasião o governo Chinês tentava minimizar a gravidade da tragédia. Ele omitia a quantidade de crianças mortas, (somavam 5.210 em 2010) apagando o conteúdo do blogue em diversos momentos. A partir daí, o telefone de Ai Wei Wei foi grampeado, ele passou a ser vigiado, o blogue interceptado e sua casa monitorada., resultando no fim do blogue neste mesmo ano.

As postagens exibidas em ordem cronológica são uma excelente experiência de leitura. Dessa forma, nos permite adentrar dentro do universo e dos pensamentos de Ai Wei Wei.

Editora: Martins Fontes, 2013 / Organização: Lee Ambrozy

Clique aqui e conheça Helena Teixeira Rios

Helena Rios

2 Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *